Impulsionados por verbas internacionais, líderes indigenistas convocam grande mobilização em Brasília

Abastecidos por verbas internacionais, líderes e organizações indigenistas convocam grande mobilização em Brasília para o período de 26 a 29 de maio de 2014.

Invasão do prédio da CNA em outubro de 2013 coordenada por organizações indigenistas.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) está convocando indígenas e indigenistas de todo o Brasil para uma grande mobilização em Brasília. Programada para o período de 26 a 29 de maio de 2014, o movimento pretende reunir representantes de todos os povos e organizações indígenas do país, ONGs, movimentos sociais, setores e organizações sociais solidárias à causa indígena, no chamado Acampamento Terra Livre 2014 – Mobilização Nacional em Defesa dos Territórios Indígenas.

O movimento tem como objetivo mostrar ao Estado brasileiro que os povos indígenas não admitem, como primeiros habitantes do país, que seus direitos sejam suprimidos.

Um determinado antropólogo radical, da ONG IIEB, fez questão de avisar a todos por meio de uma rede social que a Taça da Copa estará exposta no estacionamento do estádio Mané Garrincha, em Brasília, justamente no período de realização da mobilização. Não surpreenderia se os índios seguirem sua sugestão e tentassem alguma coisa contra a Taça. É mais ou menos assim que os antropólogos radicais manipulam o movimento indigenista.

Os indigenistas pretendem arrebanhar os índios na segunda-feira, 26 de maio, dia em que será realizada uma plenária de preparação e orientação. Nos dias seguintes, acontecerão ações de mobilização no Congresso Nacional e junto ao Poder Executivo. A concentração será no Centro de Formação Vicente Cañas, rua São Bernardo s/n, Chácara Marajoara A, Jardim Ingá, em Luziania.

A organização pede que os índios tragam pertences e acessórios pessoais como: escova de dente, creme dental, roupas de cama (lençol, cobertor, colcha de cama), toalha, colchonete, rede, barracas, sacos de dormir, sabonete, sandálias e outros pertences que cada um achar necessário trazer.

Na última vez que a AÌB organizou mobilização semelhante, grupos indígenas bem impulsionados e aparelhadas invadiram o plenário do Congresso Nacional e o prédio da CNA.

A nova mobilização dos índios, além de engrossar as manifestações políticas contra o Governo às vésperas da Copa do Mundo, coincidirão com o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa dos Atingidos por Áreas Protegidas (Unidades de Conservação e Terras Indigenas).

– See more at: http://www.questaoindigena.org/2014/05/indigenistas-convocam-grande.html#sthash.rQ73sz3e.dpuf

Anúncios

Sobre edwardluz

Contatos & WhatsApp: (061) 99314389, (062) 96514602 Sou Edward M. Luz antropólogo brasileiro, goiano, residente em Anápolis e Brasília, doutorando em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília, mesma universidade onde cursou e concluiu graduação e mestrado em Antropologia Social (Lattes : http://lattes.cnpq.br/7968984077434644 ). Iniciei carreira profissional em trabalhos de identificações e delimitações de terras indígenas em 2003 e desde então exerci esta função de Antropólogo Consultor em três ocasiões, sempre contratado pelo convênio FUNAI/PPTAL. Durante os últimos sete anos trabalhei na identificação e demarcação de oito (8) terras indígenas, todas no estado do Amazonas. Sempre trabalhei orientado pelos artigos 231 e 232 do texto Constitucional, obediente à Portaria 14 e atento ao Decreto 1775/96 e acima de tudo, norteado pelos princípios acadêmicos de imparcialidade e cuidado aos quais acrescento sempre bom senso, equilíbrio e por um forte senso ética e responsabilidade com a vida dos meus interlocutores que estudo. A observância de tais princípios me colocou em rota de colisão com alguns antropólogos e sobretudo com a FUNAI, o que culminou com a rejeição de minha postura democrática e de diálogo com as partes envolvidas em demarcações de quilombos e Terras Indígenas. Independente de quem serão meus adversários continuarei batalhando contra e enfrentando esse perigoso processo político de etnicização do Brasil, esforçando-me por promover o diálogo, a postura democrática e as soluções racionais e dialogadas para o crescente conflito étnico no Brasil, mantido e estimulado por ONGs e órgãos que precisam desesperadamente do conflito para manterem e justificarem uma ideologia fracassada, que se espalha por ONGs, pela parte ideologicamente comprometida da universidade brasileira e sobretudo por servidores de importantes e respeitáveis instituições republicanas brasileiras que precisam ser resgatadas do pernicioso processo de aparelhamento político do estado a que foram submetidas. Continuo disposto a trabalhar em soluções republicanas e democráticas par as situações dos conflitos étnicos em todo território nacional. Edward Mantoanelli Luz. Antropólogo Consultor da Human Habitat Consultoria LTDA
Esse post foi publicado em CIMI & demais Conselhos Indígenas, CIMI- Conselho Indigenista Missionário, Conflito Fundiário, CTI- Centro de Trabalho Indigenista, Manifestação Indígena e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s