Resposta Preliminar à matéria do jornal El País: Exijo meu Direito de Resposta à matéria errônea e infundada!!

Resposta Preliminar à matéria do jornal El País: Adianto que já estou empenhado em ter meu Direito de Resposta à referida matéria errônea e infundada.

    Informo que na tarde do domingo dia 03 de janeiro de 2015, tomei contato e li pela primeira vez a matéria título enganador   “Autor de laudo que questiona tribo foi expulso da Associação de Antropologia” acompanhada do subtítulo igualmente mentiroso “Especialista questiona origem brasileira dos indígenas sem nunca ter visitado aldeia publicada pelo jornal espanhol EL PAÍS e que pode ser acessado pelo Link: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/12/25/politica/1451067360_021971.html?body=%20http://brasil.elpais.com/brasil/2015/12/25/politica/1451067360_021971.html%E2%80%8F 

   Justamente por ser considerado importante e respeitado jornal europeu, admirado pela sua credibilidade e confiança, foi uma incrível decepção, constatar o inaceitável grau de amadorismo, parcialidadecompromisso ideológico distanciado dos dados e da realidade e o uso inadequado deste respeitável meio de comunicação, para a defesa política de uma bandeira e perspectiva ideológica indefensável na atualidade.

    A natureza engenhosamente perversa das distorções apresentadas, a forma maldosa com que tentaram não só macular as teses sustentadas, mas a minha pessoa, minha credibilidade profissional, a rigorosa metodologia de trabalho antropológico a que sempre pratiquei, tentando por expedientes desesperados impor uma versão tão amadora, desqualificada e infundada dos fatos, conformam-se em evidências mais que suficientes do uso ideológico deste meio de comunicação para a defesa parcial e politicamente orientada majoritária e deliberadamente promovida pela militante que usurpou de suas credenciais de jornalista para promover militância amadorística e barata que não respeitou nem os critérios mínimos, muito menos as práticas elevadas do jornalismo imparcial e respeitável.

    Informo que já estou pessoalmente empenhado em solicitar imediatamente o meu Direito de Resposta junto ao Editorial do Jornal El País, aguardando o mesmo espaço e divulgação reservado ao texto, fatos e argumentos que apresentarei em resposta. 

    Contando com a seriedade e o respeito aos princípios do jornalismo ético, atribuído à este veículo de comunicação e com os direitos civis de um país que ainda preza por importantes princípios estabelecidos na Constituição como a Ampla Defesa, o Direito ao Contraditório e o Direito de Resposta, espero ver assegurado este último direito por meio da concessão do mesmo espaço nas páginas (digitais ou impressas) do jornal El País para fazer uso responsável deste instrumento de forma honesta e transparente, e assim esclarecer os fatos reais, comprovando a qualidade do meu trabalho científico antropológico, a validade dos relatos coletados durante minhas visitas e trabalho realizado em campo e a versão histórica sustentada em meu Laudo Contestatório da alegada Terra Indígena Morro dos Cavalos, desmentindo assim esta reportagem que considero errônea, caluniosa, enviesada e parcial bem como resumir de forma didática os fatos e dados que comprovam a ilegitimidade da reivindicação territorial de habitação tradicional permanente supostamente Guarani na referida área catarinense.

Sinceramente desapontado, Edward Mantoanelli Luz. Antropólogo Social Livre.

                                                                                                           Ex-sócio da ABA.

Anúncios

Sobre edwardluz

Contatos & WhatsApp: (061) 99314389, (062) 96514602 Sou Edward M. Luz antropólogo brasileiro, goiano, residente em Anápolis e Brasília, doutorando em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília, mesma universidade onde cursou e concluiu graduação e mestrado em Antropologia Social (Lattes : http://lattes.cnpq.br/7968984077434644 ). Iniciei carreira profissional em trabalhos de identificações e delimitações de terras indígenas em 2003 e desde então exerci esta função de Antropólogo Consultor em três ocasiões, sempre contratado pelo convênio FUNAI/PPTAL. Durante os últimos sete anos trabalhei na identificação e demarcação de oito (8) terras indígenas, todas no estado do Amazonas. Sempre trabalhei orientado pelos artigos 231 e 232 do texto Constitucional, obediente à Portaria 14 e atento ao Decreto 1775/96 e acima de tudo, norteado pelos princípios acadêmicos de imparcialidade e cuidado aos quais acrescento sempre bom senso, equilíbrio e por um forte senso ética e responsabilidade com a vida dos meus interlocutores que estudo. A observância de tais princípios me colocou em rota de colisão com alguns antropólogos e sobretudo com a FUNAI, o que culminou com a rejeição de minha postura democrática e de diálogo com as partes envolvidas em demarcações de quilombos e Terras Indígenas. Independente de quem serão meus adversários continuarei batalhando contra e enfrentando esse perigoso processo político de etnicização do Brasil, esforçando-me por promover o diálogo, a postura democrática e as soluções racionais e dialogadas para o crescente conflito étnico no Brasil, mantido e estimulado por ONGs e órgãos que precisam desesperadamente do conflito para manterem e justificarem uma ideologia fracassada, que se espalha por ONGs, pela parte ideologicamente comprometida da universidade brasileira e sobretudo por servidores de importantes e respeitáveis instituições republicanas brasileiras que precisam ser resgatadas do pernicioso processo de aparelhamento político do estado a que foram submetidas. Continuo disposto a trabalhar em soluções republicanas e democráticas par as situações dos conflitos étnicos em todo território nacional. Edward Mantoanelli Luz. Antropólogo Consultor da Human Habitat Consultoria LTDA
Esse post foi publicado em Antropólogo Edward Luz, Edward Luz e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Resposta Preliminar à matéria do jornal El País: Exijo meu Direito de Resposta à matéria errônea e infundada!!

  1. Jabesmar disse:

    Acuados pela verdade eles estão partindo para o argumento ad hominem que é uma tentativa, na maioria das vezes desonesta, de atacar a pessoa em vez de responder aos seus argumentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s