O difícil dever de investigar quando o veredito já está dado!!

 A difícil missão da Polícia e do delegado Alessandro Thiers de investigar os fatos, ouvir o outro lado as outras versões e outras vozes quando o veredito público já está dado e não quer mais investigar e sim punir e execrar!

Advogada da vítima pediu a saída do delegado Alessandro Thiers (na foto, ao fundo) do caso

Na sexta-feira dia 28 de maio o delegado Alessandro Thiers, dentro do estrito cumprimento do seu dever de investigar os fatos, afirmou como deveria ter feito por força da lei, que ainda estava procedendo a investigação do caso e averiguando a possibilidade, vejam só a audácia investigativa do homem, a hipótese de ter havido consentimento da garota, pois ainda não estava convencido se realmente teria havido estupro no caso. Com a convicção e a honestidade de quem se vê obrigado a investigar o delegado declarou:

A gente está investigando se houve consentimento dela, se ela estava dopada e se realmente os fatos aconteceram. A política não pode ser leviana de comprar a ideia de estupro coletivo quando na verdade a gente não sabe ainda”, disse Thiers, já imaginando qual poderia ser a repercussão de uma grande parcela da sociedade quando fez tal declaração em entrevista coletiva após os depoimentos da vítima e de suspeitos.
Como era previsto, a reação foi praticamente imediata, quando a advogada da vítima, Eloísa Samy, acusou Thiers, ora vejam só, de machismo, pedindo seu afastamento do caso, independente do fato do mesmo ser um destacado profissional em sua carreira que o levou a ser titular da Delegacia de Repressão de Crimes de Informática do Rio.

Ele não tem condições de conduzir esse caso. Durante o depoimento da vítima, fez perguntas que claramente tentavam culpá-la pelo estupro. Ele chegou a perguntar: ‘Você tem por hábito participar de sexo em grupo‘. Não acreditei e encerrei o depoimento”, disse Samy à BBC Brasil.

Segundo a interpretação muito assertiva da advogada ao cumprir sua função de investigar os fatos o Delgado teria demonstrado “uma atitude machista por claramente desqualificar a vítima e a violência que ela sofreu, a responsabilizando pela violência do estupro. Assim, ela faz com que ela sofra duas vezes, com a violência do estupro e a violência inconstituicional pelo descrédito que lhe é dirigido”, concluiu a advogada.

“Assim fica fácil perceber o que faz com que tantas vítimas de estupro deixem de denunciar seus agressores no Brasil.”

A BBC Brasil procurou a Polícia Civil para comentar as acusações – o crime está sendo investigado em conjunto pela Delegacia da Criança e Adolescente Vítima e pela Delegacia de Repressão de Crimes de Informática.

Segundo a assessoria de imprensa do órgão, “a investigação é conduzida de forma técnica e imparcial, na busca da verdade dos fatos, para reunir provas do crime e identificar os agressores, os culpados pelo crime”.

Ainda de acordo com a polícia, a delegacia comandada por Thiers afirmou que, durante o depoimento, a vítima foi questionada sobre “ter conhecimento de que havia um outro vídeo sendo divulgado em mídias sociais em que ela apareceria mantendo relações sexuais com homens, conforme relato de uma testemunha”.
A jovem afirmou desconhecer as imagens e que elas não eram verdadeiras, disse a polícia. “A mãe da vítima acompanhou todo o depoimento, sendo que, em determinado momento, houve discordância entre a advogada e o desejo da mãe da vítima. Por esta razão a oitiva da mãe foi feita sem a presença da advogada.”

Anúncios

Sobre edwardluz

Contatos & WhatsApp: (061) 99314389, (062) 96514602 Sou Edward M. Luz antropólogo brasileiro, goiano, residente em Anápolis e Brasília, doutorando em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília, mesma universidade onde cursou e concluiu graduação e mestrado em Antropologia Social (Lattes : http://lattes.cnpq.br/7968984077434644 ). Iniciei carreira profissional em trabalhos de identificações e delimitações de terras indígenas em 2003 e desde então exerci esta função de Antropólogo Consultor em três ocasiões, sempre contratado pelo convênio FUNAI/PPTAL. Durante os últimos sete anos trabalhei na identificação e demarcação de oito (8) terras indígenas, todas no estado do Amazonas. Sempre trabalhei orientado pelos artigos 231 e 232 do texto Constitucional, obediente à Portaria 14 e atento ao Decreto 1775/96 e acima de tudo, norteado pelos princípios acadêmicos de imparcialidade e cuidado aos quais acrescento sempre bom senso, equilíbrio e por um forte senso ética e responsabilidade com a vida dos meus interlocutores que estudo. A observância de tais princípios me colocou em rota de colisão com alguns antropólogos e sobretudo com a FUNAI, o que culminou com a rejeição de minha postura democrática e de diálogo com as partes envolvidas em demarcações de quilombos e Terras Indígenas. Independente de quem serão meus adversários continuarei batalhando contra e enfrentando esse perigoso processo político de etnicização do Brasil, esforçando-me por promover o diálogo, a postura democrática e as soluções racionais e dialogadas para o crescente conflito étnico no Brasil, mantido e estimulado por ONGs e órgãos que precisam desesperadamente do conflito para manterem e justificarem uma ideologia fracassada, que se espalha por ONGs, pela parte ideologicamente comprometida da universidade brasileira e sobretudo por servidores de importantes e respeitáveis instituições republicanas brasileiras que precisam ser resgatadas do pernicioso processo de aparelhamento político do estado a que foram submetidas. Continuo disposto a trabalhar em soluções republicanas e democráticas par as situações dos conflitos étnicos em todo território nacional. Edward Mantoanelli Luz. Antropólogo Consultor da Human Habitat Consultoria LTDA
Esse post foi publicado em Eventos Sociais Críticos, Sem categoria, Sociedade Brasileira e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s