Quem seria o futuro Rei do Brasil caso a monarquia fosse restabelecida?

 “A família real não tem o direito de dizer quem será o rei”, diz Dom João de Orléans e Bragança.

Imagem relacionada

No ramo da família imperial de Petrópolis, muitos dos atuais descendentes não concordam com a renúncia de 1908. Afinal, não havia um trono para se abrir mão, nem a carta do príncipe foi protocolada e devidamente reconhecida por autoridades civis brasileiras. Dos homens deste ramo da família, caso a renúncia fosse desconsiderada, Pedro de Alcântara Gastão de Orléans e Bragança teria herdado o trono e seria o rei até morrer, em 2007. Teria sido seguido por Pedro Carlos, mas ele se casou, duas vezes, com mulheres que não são da nobreza – o que reabriria a polêmica.

Mas o sucessor mais popular dessa parte da família é outro: o príncipe Dom João. Ele vive em Paraty, onde trabalha como fotógrafo e mantém uma imobiliária e a Pousada do Príncipe. Surfista, já pegou onda na Indonésia e mantém, desde a década de 1970, uma relação muito próxima com os índios Xingu. Todos os anos, oferece um almoço aos escritores presentes à Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip.

Em entrevista à Gazeta do Povo, Dom João Henrique de Orléans e Bragança afirmou que a família real não tem o direito de indicar quem será o próximo rei. Ele também falou sobre as prioridades de um monarca, o combate à corrupção e a relação entre Estado e religião.

O que a família real tem a oferecer ao Brasil hoje?

As monarquias parlamentaristas constitucionais, como existem em boa parte da Europa, funcionam com a vantagem de fazer a separação de governo e estado. Acredito que o parlamentarismo funciona melhor com um rei de chefe de estado. As famílias reais são educadas desde cedo a servir ao país, a dedicar sua vida à nação, sem querer nada em troca. É uma postura de idealismo e de patriotismo.

Em caso de retorno da monarquia, quem deveria ser o rei do Brasil?

Em qualquer democracia a lei é feita através do parlamento. A família real não tem o direito de dizer quem será o rei. A família não tem esse poder nem esse direito de indicar. O rei seria escolhido pela população através de seus representantes legais no Congresso. Não existe obrigatoriedade de ser um Orleans e Bragança.

Existe mesmo uma rixa entre os grupos de Petrópolis e de Vassouras?

Hoje existe um contato, mas um problema que existe é que dois membros do ramo de Vassouras (Dom Luiz e Dom Bertrand) são ligados a uma instituição de direita. Eles estão fora de qualquer postura aceita para uma família real. Eu sou suprapartidário. Já me pediram para eu me candidatar para cargos, o governador (do Rio de Janeiro) Brizola me convidou para entrar para o governo, trinta anos atrás. Mas eu sempre digo: eu faço política, mas não posso entrar em política partidária. É a premissa básica das famílias reais. Nos eventos políticos e culturais que faço na minha casa, recebo de frei Betto a Fernando Henrique Cardoso.

Um rei faria voltar o Poder Moderador, que dava poderes aos imperadores?

Nos parlamentarismos republicanos, o presidente também exerce um poder moderador porque representam não o governo, mas a nação. Essa é a vantagem do parlamentarismo, que funciona infinitamente melhor do que nosso presidencialismo de coalisão, ou de cooptação. E na Inglaterra, na Espanha, na Bélgica, na Noruega, na Suécia, na Dinamarca, os representantes da instituição, ou seja, o rei e a rainha, não dizem o que eles querem. Isso é regido pela constituição. A lei que rege uma sociedade é a força maior. Os reis, os presidentes, os deputados, os senadores, todos os servidores públicos devem servir ao país por ideal.

Quais seriam suas prioridades como monarca?

Veja bem, o rei tem como prioridade apenas o equilíbrio das instituições e a função de reger o acordo entre partidos. O chefe da instituição não dita políticas, mas tenta conciliar interesses do país, para que não batam tanto de frente com interesses partidários. Nem um presidente, num sistema parlamentarista, tem prioridades pessoais. Quem manda é o parlamento.

Como o senhor combateria a corrupção?

Volto a dizer: a grande mudança não é a monarquia, é o parlamentarismo. Num regime parlamentarista, Michel Temer já teria caído, sem crise, e a notícia nem teria tanto destaque na capa dos jornais. Hoje falta justamente alguém que concilie a divisão, a intolerância que está acontecendo no país hoje.

Matéria completa em: http://www.gazetadopovo.com.br/politica/republica/a-familia-real-nao-tem-o-direito-de-dizer-quem-sera-o-rei-diz-dom-joao-de-orleans-e-braganca-94wq8z6uzcg5fohyilhcww1tf
Anúncios

Sobre edwardluz

Contatos & WhatsApp: (061) 99314389, (062) 96514602 Sou Edward M. Luz antropólogo brasileiro, goiano, residente em Anápolis e Brasília, doutorando em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília, mesma universidade onde cursou e concluiu graduação e mestrado em Antropologia Social (Lattes : http://lattes.cnpq.br/7968984077434644 ). Iniciei carreira profissional em trabalhos de identificações e delimitações de terras indígenas em 2003 e desde então exerci esta função de Antropólogo Consultor em três ocasiões, sempre contratado pelo convênio FUNAI/PPTAL. Durante os últimos sete anos trabalhei na identificação e demarcação de oito (8) terras indígenas, todas no estado do Amazonas. Sempre trabalhei orientado pelos artigos 231 e 232 do texto Constitucional, obediente à Portaria 14 e atento ao Decreto 1775/96 e acima de tudo, norteado pelos princípios acadêmicos de imparcialidade e cuidado aos quais acrescento sempre bom senso, equilíbrio e por um forte senso ética e responsabilidade com a vida dos meus interlocutores que estudo. A observância de tais princípios me colocou em rota de colisão com alguns antropólogos e sobretudo com a FUNAI, o que culminou com a rejeição de minha postura democrática e de diálogo com as partes envolvidas em demarcações de quilombos e Terras Indígenas. Independente de quem serão meus adversários continuarei batalhando contra e enfrentando esse perigoso processo político de etnicização do Brasil, esforçando-me por promover o diálogo, a postura democrática e as soluções racionais e dialogadas para o crescente conflito étnico no Brasil, mantido e estimulado por ONGs e órgãos que precisam desesperadamente do conflito para manterem e justificarem uma ideologia fracassada, que se espalha por ONGs, pela parte ideologicamente comprometida da universidade brasileira e sobretudo por servidores de importantes e respeitáveis instituições republicanas brasileiras que precisam ser resgatadas do pernicioso processo de aparelhamento político do estado a que foram submetidas. Continuo disposto a trabalhar em soluções republicanas e democráticas par as situações dos conflitos étnicos em todo território nacional. Edward Mantoanelli Luz. Antropólogo Consultor da Human Habitat Consultoria LTDA
Esse post foi publicado em Cenário Político Nacional, Sem categoria e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Quem seria o futuro Rei do Brasil caso a monarquia fosse restabelecida?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s