Proposta do Blog

No ar desde 2006 Revelando #SegredosdaTribo é uma iniciativa do antropólogo Edward M. Luz num esforço quase que individual para melhor informar, publicar as ideias e notícias, diversificar as fontes e revelar e enfatizar fatos e notícias que são sistematicamente escondidas, desprezadas, distorcidas ou manipuladas em virtude do viés esquerdista, do compromisso político ou da submissão da grande mídia brasileira à agenda indigenista conservacionista internacional.

Embora sem quaisquer recursos financeiros para promover um monitoramento amplo e contínuo das notícias nacionais e internacionais, o Revelando #Segredos da Tribo é uma mídia alternativa que pretende de alguma forma, ainda que quase inexpressiva, equilibrar as fontes de informações nacionais sobre o movimento indigenista e para tanto, recolhe amostras e informações semanais, que por si só, bastam para dar uma ideia da magnitude e gravidade da manipulação e distorção promovida pelo aparato indigenista do noticiário na mídia inter/nacional. O conjunto da obra como um todo, revela do começo ao fim um lado escuro, sombrio e desconhecido do indigenismo nacional: a existência de um bem preparado, bem organizado, sobejamente financiado e crescente aparato indigenista inter/nacional disposto a fazer de tudo para impor uma agenda desconhecida e portanto não avaliada e não aprovada por grande parte do povo brasileiro.

Não é uma iniciativa fortuita, fruto de um desejo ou vontade própria, ou por capricho do autor de ter alguma de suas ideias e propostas lidas e reconhecidas por indígenas, antropólogos, autoridades e cidadãos brasileiros. É antes a expressão concreta e real do dever de consciência, um dever e responsabilidade que o autor sente pesar sobre si como uma força imperativa que o impele a compartilhar com a nação brasileira seus questionamentos, espantos e perplexidades que as movimentações geopolíticas dos movimentos étnicos e etnicizantes no Brasil e na América Latina fazem emergir neste de uma necessidade radical de conhecimento.

Revelando #SegredosdaTribo zela para ser um blog de informações criteriosas, retiradas de diversas e diferentes fontes, confirmadas e atestadas por diferentes órgãos de imprensa que enfoca sobretudo aquelas informações ignoradas por diversas órgãos de imprensa, comprometidos ou submetidos e presos como estão pela vigência da ditadura impositiva do politicamente correto, vigência da qual é difícil escapar impunemente. Por isto mesmo este Blog, não é racialista, não é politicamente incorreto, não é irresponsável, nem inconsequente. Não há aqui qualquer desrespeito a qualquer sociedade, indivíduo ou grupo indígena. Este blog não faz uso de difamações, discurso preconceituoso, ofensas, não usa termos discriminatórios, palavras de baixo calão. #Revelando Segredos da Tribo não é um blog anti-indígena, não é antiacadêmico, não é contrário à atuação do Ministério Público, nem a atuação autônoma e honesta da Justiça Federal.  Condicionantes de onde provém as maiores dificuldades deste Blog, que ao querer denunciar a imposição de uma narrativa, visão discurso e interpretação monolítica, não pode se valer da mesma liberdade, informalidade que a privacidade permite ao raciocínio de cada cidadão na intimidade do sigilo de suas reflexões. Nem pode contar este blog com as toneladas de informação enviesadas, manipuladas e distorcidas produzidas em larga escala pelo aparato indigenista nacional, motivo pelo qual sua produtividade é reduzida e comedida.

Muito ao contrário, respeita sempre os direitos das populações, sociedades, indivíduos e grupos indígenas, assim como luta pela igualdade dos direitos dos cidadãos brasileiros, questiona privilégios estabelecidos com base em fronteira étnicas ilusórias e questionáveis.

Mas pretende tão somente denunciar o uso questionável de minorias indígenas manipuladas e colocadas contra os interesses e os direitos da sociedade regional envolvente, contra os projetos de desenvolvimento regional. Para isso portanto o Blog precisa tão somente escapar da ditadura do palavreado politicamente correto, do fácil discurso pronto, engomado e empacotado, pronto para ser engolido sem reflexão nem análise, foge da narrativa unilateral lacrimogênea que induz à ação sem reflexão e que tanto se distancia do debate democrática. Agindo assim, este blog pretende denunciar a interpretação enviesada e a visão míope e distorcida da realidade sustentada pelos profissionais e experts em relativização do saber, sempre comprometidos com os interesses do movimento indígena, , enfim livre de todos os vieses provenientes dos compromissos políticos e ideológicos com o aparato indigenista/ambientalista inter/nacional e de sua agenda ditatorial, antipopular e antidemocrática.

Mesmo com todos as suas limitações, #Revelando Segredos da Tribo pretende fazer um alerta para uma realidade concreta e atual: há uma perigosa tribo operando entre nós. Uma tribo capaz de submeter seu compromisso com os fatos concretos e disposta a interpretar a realidade segundo seus interesses e compromissos. Engana-se quem pensa que são todos os antropólogos. Engana-se mais quem acha que esta tribo é indígena. É uma tribo unida em torno de interesses em comum destinados a uma pequena minoria escolhida. Mas é uma tribo como qualquer outro com seus caciques, xamãs ou pajés, seus sábios, rituais de iniciação, grupo de alianças e sobretudo, hordas de guerreiros e ciberativistas dispostos a defender não um território, não um grupo ou sociedade específica, mas todo um conjunto de interesses comuns que os move até as últimas consequências já que estão profundamente convencidos de uma visão redencionista da humanidade, que pregam e anunciam para todo o mundo.

Necessidade radical de conhecimento e de verdadeiro conhecimento radical, não dos artifícios de hermenêutica pirotécnica, nem mesmo dos flashes ofuscantes de informação enviesada. É antes fruto de um questionamento sincero de uma necessidade de entender como muitos outros indivíduos, associações e grupos que sempre considerei como amigos, colegas, irmãos e parceiros de repente se voltaram contra mim ao menor sinal de emergência de questionamentos sinceros que construção de um povo brasileiro, que se vê inundado por uma corrente de perplexidades e questionamentos paralisantes se apoderaram de todos nós, nos obrigaram a refletir sobre o quê este aparato e o movimento indígena está fazendo com as sociedades indígenas em território nacional.

Não é sem dor que escrevo, e não publico sem a devida preocupação com os rumos do antigo e já quase abandonado projeto de País mestiço, pensado para atender as necessidades de todos conforme suas diferenças, oferecendo a cada grupo os mesmos direitos necessários para assegurar a ordem e promover os desenvolvimentos necessários para todos. Nunca é tarde para retomarmos e aperfeiçoarmos a construção deste projeto de democracia social, inclusiva e igualitária para todos os brasileiros.

Sempre que possível serão postadas reflexões e análises deste antropólogo que, remando na contramão, resolveu dedicar-se a retomar uma antropologia já abandonada pela antropologia brasileira de pensar e repensar a nação, o povo e as múltiplas manifestações culturais das várias sociedades brasileiras.

Bem vindo a este espaço onde a liberdade de expressão, as reveladoras notícias sem máscaras e o exercício do livre pensar e analisar, garante espaços de diálogos às multiplas análises sobre antropologia nacional, FUNAI, indigenismo, aparato indigenista/ambientalista e os conflitos resultantes dos diferentes e conflitantes interesses que emergem no seio desta já enorme e crescente nação mestiça.

Nos vemos por aqui. Edward M. Luz. Antropólogo Livre e Autônomo. Ex-Sócio da ABA

Anúncios

4 respostas para Proposta do Blog

  1. Lissandro Campos Rezende disse:

    Edward sou pecuarista no sul sul da bahia, precisamente em pau Brasil onde houve invasão dos indios no dia 15/04/2012. No dia 02/05/2012 o STF julgou dando ganho de causa aos mesmos, como vc é antropólogo gostaria de saber se vc conhece e já estudou esta área de terra se verdadeiramente é área indígina ou não, haja vista que o próprio governo do estado da Bahia deu o título para os produtores, sendo que alguns produtores tem títulos de 1800. Gostaria se possível que vc me esclarecesse esta situação, oSTF deu uma àrea pros Ìndios( que ìndio mesmo lá são muito pouco, a maioria é bandido armado),qual sua opinião e se tem alguma sugestão para os 395 produtores desamparados?

    • edwardluz disse:

      Prezado Lissandro, infelizmente ainda não tive a oportunidade de estuar este caso, que me parece ser o de Caramuru-Paraguaçu julgado em 02/05/2012 o STF julgou dando ganho de causa às reivindicações indígenas. Infelizmente são tantos os casos, tantas as diferentes situações, tantos os conflitos que este antropólogo, atuando quase que sozinho não consegue atender à todas as demandas que vem recebendo ultimamente.

      Mas me disponibilizo e te peço que por favor, me envie o material que possui para que eu possa analisá-lo e avaliá-lo tão logo quanto possível. .

      Atenciosamente, Edward M. Luz. Antropólogo Social.

  2. Boa noite. Sou advogado e fui contratado para uma ação de usucapião na cidade de Minaçu onde me deparei com a proposta demarcatória para a formação da reserva ava canoeiros. Contudo analisando os parcos dados fornecidos pela funai – que se nega a me conceder acesso aos autos de demarcação- busquei informações na comunidade e tive acesso a declarações de fazendeiros informando a inexistência de índios naquela região. É certo que agora há uma tribo instalada, apesar de ter 4 a 5 índios em idade avançada e de uma tentativa frustada da funai em trazer e assentar outros avás proveniente da ilha do bananal. Estou lendo seus artigos e gostaria de saber informações sobre a existência de tribos na região de Minaçu e Colinas do Sul, ambos em Goiás, vez que há indícios de que tanto a área demarcada como a fixação dos índios estão fora da normalidade: a reserva é de aproximadamente 7.000,00 alqueires goianos ou 38.000,00 hectares.
    Sobre a proposta formulada pelo STF as regras valem para áreas já demarcadas antes da CF/88 o para aquelas cujos processos se iniciaram antes também?
    Parabens pelo blog e que eu possa contribuir com sua luta tornando-a minha.

  3. Vitor Brandt Calçavara disse:

    Você provavelmente já leu o Guia do Politicamente Incorreto, de Leandro Narloch. O início do livro começa falando da questão indígena, mas são muitas informações muito suspeitas…
    Gostaria de saber se você gosta do capítulo, se verificou as informações dele, e se o recomenda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s